Sobre projetos & tormentas

Quando é que vai ficar pronto mesmo? Você pode me dar uma previsão?

Essa é a pergunta que nunca vão parar de fazer. E provavelmente estão pagando caro para que fique pronto logo!

Dia desses escutei um podcast que contava a história de um quadro da rádio BBC de Londres, que está no ar há vários anos e cujo objetivo é transmitir um relatório de previsão do tempo náutico. É bastante conhecido da população, sendo parte inclusive da cultura local.

Tudo começou quando o Almirante Robert FitzRoy, por volta dos anos 1850, começou a estudar sobre a relação da pressão atmosférica e o impacto da sua variação nas tempestades, o que veio a se tornar uma valiosa ferramenta no que conhecemos hoje como “previsão do tempo”.

Image result for weather forecast probability meme

FitzRoy então começou a divulgar os seus relatórios climáticos, sob o título de “Barometer Prophecy” ou “Profecia do Barômetro”, em tradução literal. No entanto, a Inglaterra da Era Vitoriana tinha uma religiosidade bastante marcante, então qualquer termo que pudesse de alguma forma estar relacionado a “profecia”, poderia ter uma conotação não tão agradável, já que as pessoas logo associariam a um ataque de dragões, pragas nas plantações, doenças estranhas ou qualquer outro tipo de azar. Com isso, FitzRoy adaptou o termo para “weather forecast”, algo mais para “previsão do tempo”, um sinônimo mas mais suave.

Mas o que isso tem a ver com gestão de projetos?

Certa vez em uma aula de uma especialização em Gestão de Projetos, lá pelos idos de 2010, um professor nos resumia que gerenciar projetos é gerenciar expectativas. E é aí onde geralmente deixamos a desejar. Veja bem: os relatórios climáticos mais modernos vem acompanhados de um percentual de chance de determinado fato acontecer. Por exmplo: 60% de chance de chuvas no litoral, 80% de chance de haver uma nevasca, e por aí vai. No entanto, quando comunicamos aos nossos principais stakeholders que temos uma previsão de quando determinado pacote de trabalho vai ficar pronto, não temos o mesmo cuidado. Não deixamos claro para o nosso cliente a chance de não acontecer aquilo que estamos comunicando. E então começamos a quebrar as mais variadas expectativas que estão envolvidas no projeto.

Related image

Neste caso, não estamos falando de uma profecia, tampouco de religião. Mas ao quebrar uma expectativa, e dependendo das pessoas interessadas no projeto, posso dizer com propriedade que teremos uns 95% de chance de também presenciar dragões, pragas, trevas, e qualquer outro tipo de coisas sombrias que você possa imaginar. Pense bem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s